Babaji's Kriya Yoga
Babaji's Kriya Yoga Images
English Deutsch Français FrançaisEspañol Italiano Português PortuguêsJapanese Russian Bulgarian DanskArabic Farsi Hindi Tamil Turkish

 

Desejo e aversão: a doença da mente

 

Por

M. Govindan Satchidananda

 

Quando aprofundamos nossa prática da Yoga, começamos a compreender o quanto nossa mente é perturbada por coisas que queremos e coisas que não queremos. Ficamos excitados, rimos ou nos sentimos muito “felizes” quando conseguimos algo que desejamos, ou quando experimentamos um pouco de prazer. Ficamos deprimidos, frustrados ou ansiosos quando nossos desejos são negados. Nos deparamos com isso durante nosso dia, no trabalho, com nossa família, em público e nos momentos de privacidade. Enquanto almejamos pela paz da nossa almofada de meditação ou colchonete de asanas (posturas), podemos, em qualquer situação, fazer muitas coisas para superar esta “doença” da mente.

Patânjali diz no Sutra II.7 que “Apego é a cola (liga) do prazer.” Devido à individualização da consciência e sua falsa identificação com um determinado corpo e um conjunto de memórias e pensamentos, nós somos atraídos para várias experiências prazerosas no nosso ambiente. Apego (ragah), como o medo, se origina na imaginação (vikalpa). Isso acontece quando nós confundimos a experiência interna de graça (ananda) com um conjunto de circunstâncias ou fatores externos a nós, e damos a esta associação o nome de prazer (sukham). Imaginamos que este prazer depende da presença destas circunstâncias e fatores externos. Quando desaparecem, experimentamos o apego, a ilusão de que a alegria interna não retornará enquanto não possuirmos novamente aqueles fatores externos. Apego envolve se agarrar (anusaya) e, claro, sofrimento (dukha). Mesmo quando possuímos os fatores externos podemos experienciar o apego, devido ao medo (imaginação) de perdê-los. Entretanto, na realidade, a alegria (graça) existe por si mesma, incondicional e independente de fatores ou circunstâncias externas. Basta estar consciente (desperto) para experimentá-la.

Patânjali continua e nos diz no Sutra II.8 que “Aversão é a cola (liga) do sofrimento.” Da mesma forma, sentimos aversão por várias experiências no nosso ambiente. São termos relativos, e o que é doloroso para uns pode ser prazeroso para outros. Porém, há uma terceira possibilidade de reação: o desapego, que Patânjali propõe como a prática-chave para irmos além do prazer e da dor (ver verso I.12, 15).

Quando fazemos um profundo mergulho interior, um passo atrás da experiência dolorosa, sua causa se torna evidente. Cultivando esta perspectiva e compreensão, assim como paciência e tolerância, não ficamos perturbados durante muito tempo.

“Se custa a paz de nossa mente, o preço é muito alto.” Mudar uma situação externa dolorosa é quase impossível sem antes mudar a nossa percepção dessa situação. Nós devemos primeiro focar a nossa vontade em tornar nossa consciência clara e profunda para evitar reagir com aversão. Almeje uma mudança externa, por uma situação mais harmônica. Aceite qualquer trabalho que for dado a você no espírito do Karma Yoga (serviço desapegado), como um treino espiritual, para purificar você do apego (raga) e da aversão (dvesa).

O “apego” e a “aversão” estão entre as cinco aflições que Patânjali identifica no Sutra II.3: “Ignorância, egoísmo, apego, aversão e se agarrar à vida são as cinco aflições.” Isto impede a Self-realization (auto-realização). Por ignorar quem nós realmente somos, confundimos o Self com o não-Self, o permanente com o impermanente. Devido a essa ignorância, o egoísmo se desenvolve. Patânjali nos diz em II.6 que “Egoísmo é a identificação dos poderes daquele que vê (Purusha) com os poderes do instrumento da visão (Praktiti).” Em outras palavras, egoísmo é o habito de nos identificarmos com o que nós não somos, a personalidade corpo-mente, o instrumento de cognição, assim como pensamentos, sensações e emoções. Nós falhamos em reconhecer que eles são objetos, meros reflexos de nossa consciência. Isto nos conduz à individualização da consciência: ao invés de “Eu Sou”, a confusão com “eu sou o corpo”, “eu sou este sentimento” etc. Esta confusão sujeito-objeto pode ser removida com a prática do desapego e do discernimento. Sinta que você não é “aquele que faz”, mas apenas o “observador”. Seja uma testemunha e um instrumento e observe como as coisas são feitas.

Para superar “quereres” e apegos, cultive consciência antes, durante e depois de atividades ou circunstâncias prazerosas. Perceba que a alegria permanece do começo ao fim, contanto que a consciência esteja presente. Pratique deixar os sentimentos de apego irem embora. Quando tudo correr bem, agradeça ao Senhor.

Para superar aversão ou a antipatia realize todas as ações com abnegação, habilidade e paciência. Cultive a equanimidade na realização de suas tarefas e nos resultados. Quando as coisas saírem erradas, assuma a responsabilidade e aprenda a fazer melhor.

 

 

Todos os direitos de autor reservados por

Marshall Govindan

Copyright © 2004

«Kriya Yoga Publications»

St. Étienne de Bolton, Québec, Canadá

© 1995 - 2017 - Babaji's Kriya Yoga and Publications - All Rights Reserved.  "Babaji's Kriya Yoga" is a registered service mark.